Sessão do Mês

Home/Sessão do Mês

Micoses Superficiais

Introdução ao Caso

Homem de 35 anos relata o aparecimento de placa eritêmato-descamativa na região centro-facial há dois meses (Figura 1). Queixa-se de leve prurido e aumento progressivo da lesão. Nega fatores desencadeantes ou agravantes.

1) Para o quadro deste paciente, assinale a alternativa que corresponda às hipóteses diagnósticas mais prováveis:

Dermatite seborreica, dermatite atópica, dermatite de contato.

Lúpus eritematoso cutâneo agudo, pênfigo foliáceo forma frustra, seboríase.

Pênfigo foliáceo forma frustra, tinha da face, lúpus eritematoso cutâneo agudo.

Tinha da face, dermatite seborreica, lúpus eritematoso cutâneo.

2) Assinale a alternativa que corresponda à melhor conduta diante do caso, levando-se em conta as principais hipóteses levantadas na questão 1.

Fazer inicialmente a biópsia cutânea para definição diagnóstica em virtude de se tratar de alteração comum em inúmeras patologias.

O diagnóstico neste caso é clínico, deve-se iniciar o tratamento farmacológico sem exames complementares e avaliar a resposta terapêutica.

Deve-se solicitar inicialmente o exame micológico direto, método propedêutico simples e de baixo custo, a fim de se investigar a possibilidade de micose superficial.

É mandatória a solicitação de exames laboratoriais para doenças do tecido conjuntivo, exame micológico direto e biópsia cutânea para exame anatomopatológico para confirmação diagnóstica.

Uma ou mais questões não foram respondidas. Para dar continuidade responda todas as questões.

Discussão do Caso

Questão: 1
Opção correta: letra D
O diagnóstico dermatológico deve ser direcionado tendo como base os aspectos morfológicos (lesões elementares) complementados pela história clínica. Este caso é relevante para ressaltar que uma boa análise clínica é fundamental para a correta conduta dermatológica. Há eritema e descamação fina localizada na região centro-facial. Este tipo de alteração pode ser observado em várias situações, destacando-se quadros eczematosos, seboríase, lúpus eritematoso cutâneo, forma frustra de pênfigo foliáceo e tinha da face (micose superficial).

Dentre as doenças eczematosas, pode-se descartar a hipótese de dermatite atópica, pois esta tende a poupar a região centro-facial no caso de acometimento da face. É importante investigar eventuais contactantes que poderiam apontar para o diagnóstico de dermatite de contato. As hipóteses de dermatite seborreica e seboríase poderiam ser consideradas, levando-se em conta a localização e morfologia observadas.

O lúpus eritematoso cutâneo pode-se apresentar como lesão eritêmato-descamativo, sendo importante investigar sobre a piora com a exposição solar. No entanto, a hipótese de lúpus eritematoso cutâneo agudo pode ser descartada, pois se trata de manifestação de lúpus eritematoso sistêmico em atividade, que compreende o “rash” malar em asa de borboleta e o eritema facial com máculas, pápulas ou bolhas disseminadas. São lesões, em geral,  não acompanhadas pelo aspecto descamativo apresentado pelo paciente em questão.

A forma frustra de pênfigo foliáceo não pode ser totalmente afastada, embora o mais usual seja observar também lesões exulceradas e aspecto escamo-crostoso, ausentes neste caso. Deve-se pesquisar o sinal de Nikolski na região dorsal, positivo quando há descolamento cutâneo à pressão tangencial da pele.

A tinha da face em placa (micose superficial) é uma boa hipótese diagnóstica clínica com base nos aspectos morfológicos observados.

Questão: 2
Opção correta:  letra C
A melhor conduta para o caso é optar pelo exame micológico direto, a fim de se investigar micose superficial, mais especificamente, a tinha da face. As demais condutas não devem ser adotadas inicialmente por representarem opções não compatíveis com o diagnóstico clínico que deve sempre nortear toda conduta médica, levando-se em conta risco, custo e benefício.